A aclamada série Pose, estreou em junho de 2018 no canal FX, e fez história como a primeira produção a trazer um elenco composto em sua maioria por mulheres trans negras, focando na comunidade LGBTQ do final da década de 1980 e mostrando a cultura de bailes Vogue da época.

A trama da série foca na cultura dos bailes de vogue dos anos 1980, que acabou se popularizando com o hit lançado por Madonna no começo dos anos 1990, ao final de cada apresentação cada concorrente recebe uma nota dos jurados e o vencedor ganha o troféu da categoria. Cada grupo é formada por uma “Casa” comandada por uma mãe que cuida dos outros integrantes da família.

A Casa mais notável e imbátivel é a Casa Abundance, comandada com pulsos firmes por Elektra (Dominique Jackson), mas ela encontra uma rival a altura quando Blanca (MJ Rodriguez), filha de Elektra, resolve criar a sua própria casa, a Casa Evangelista.

Os temas importantes tratados em Pose

Pose FX
Da esquerda para direita: Indya Moore como Angel, Ryan Jamaal Swain como Damon e MJ Rodriguez como Blanca em cena da série Pose. Foto: reprodução

Além da cultura dos bailes, Pose também foca nas dificuldades da comunidade LGBTQ+, como o personagem Damon Richards, que tem o sonho de se tornar dançarino, mas é expulso de casa pelos pais quando descobrem que o filho é gay. Sendo obrigado a morar na rua, ele conhece Blanca que o adota como filho. A epidemia de AIDS também tem destaque na vida dos personagens que descobrem serem portadores do vírus e nas mortes de entes queridos pela doença.

Leia também:
“Olhos que Condenam” e a importância de contarmos nossas próprias histórias
“Queen Sugar” e a necessária representação negra na TV
[Séries] Losers: Surya Bonaly, talento e preconceito no esporte

São tantos temas fortes que essa série se propõe a tratar que seria fácil ela cair numa espiral de tristeza e pessimismo para as personagens, mas o que mais atrai em Pose é a força de vontade da protagonista Blanca e a forma como ela dá um jeito de levar a vida e cuidar de seus “filhos” em meio as dificuldades enfrentadas.

Angel, uma das integrantes da casa Evangelista, acaba recorrendo a prostituição para ganhar a vida e conhece um homem casado com quem começa a ter um caso. A fetichização das mulheres trans também é um tema tratado na série, além da falta de amor que elas recebem, sendo usadas apenas para satisfazer os desejos dos homens com quem se relacionam. Além da transfobia enfrentada dentro da comunidade gay.

Na vida real as atrizes também são ativistas da causa trans e na série eles pontuam assassinatos que realmente aconteceram para alertar sobre a violência sofrida por mulheres trans.

O elenco poderoso

Elenco Pose
O elenco  de Pose: Hailie Shar, Indya Moore, Dominique Jackson, Angelica Ross e MJ Rodriguez. Foto: reprodução

Pose fez história na TV ao colocar em seu elenco principal cinco atrizes trans como protagonistas, são elas: Dominique Jackson, MJ Rodriguez, Indya Moore, Angelica Ross e Hailie Shar. Além da série ser escrita por Janet Mock, que também é trans, o que fica evidente no roteiro tão bem feito e emocional.

Pose foi criada e produzida por Ryan Murphy, Brad Falchuk e Steven Canals. Murphy é dono de sucessos como American Horror Story, American Crime Story, Glee e agora Pose.

Também há que se destacar a atuação de Billy Porter como Pray Tell, o apresentador dos bailes de vogue, o seu personagem é de extrema importância na trama. A atuação de Porter lhe rendeu diversas indicações em premiações e um Emmy como Melhor Ator em Série de Drama em 2019. Completando o elenco temos Evan Peters, James Van Der Beek e Kate Mara.

Uma série premiada

Billy Porter
Billy Porter como Pray Tell em cena da série Pose. Foto: reprodução.

Com tantas qualidades seria impossível uma série como essa não ser notada pelas principais premiações do gênero e ela não fez feio. Pose se tornou a primeira série com protagonistas trans a ser indicada ao Emmy em 2019.

Com seis indicações, incluindo melhor série de Drama e Melhor Elenco, ela fez história com Janet Mock se tornando a primeira mulher negra trans e Steven Canals, como primeiro afro-latino, a serem indicados como produtores e Billy Porter se tornou o primeiro homem negro abertamente gay a ser indicado e vencer na categoria principal de atuação como Melhor Ator em série de Drama.

Além do Emmy, Pose também recebeu indicações ao Globo de Ouro, MTV Movie Awards, Critics Choice, TCA Award e NAACP Image Award.

O figurino e a trilha sonora completam a produção

Elektra
Dominique Jackson como Elektra em cena da série Pose. Foto: reprodução.

Grande parte da série é focada nos bailes da época e o que chama a atenção são os figurinos bem trabalhados, cheios de personalidade e exuberância. Cada look mostrado nos bailes é de tirar o fôlego, com um destaque especial para toda elegância e poder da personagem Elektra.

Além dos bailes, os looks do dia a dia das personagens também são cheios de estilo e servem de inspiração. Lou Eyrich é quem cuida dos figurinos da série, muitas peças são garimpadas nos brechós dos EUA. Eyrich usou como inspiração o documentário Paris is Burning, de 1991, disponível na Netflix, que é um retrato da comunidade trans no Harlem dos anos 1980. A figurinista conta que elas não queriam deixar os figurinos sofisticados demais, para parecer que tinham sido feitos pelas próprias personagens. Com o sucesso da série as atrizes acabaram se tornando ícones da moda como Indya Moor e Dominique Jackson que fecharam campanhas com grandes grifes de moda.

Completando a produção de forma magistral também temos a trilha sonora com clássicos dos anos 1980 como Private Dancer da rainha Tina Turner, Running Up That Hill de Kate Bush e I Wanna Dance With Somebody de Whitney Houston. Também temos a trilha da competição nos bailes que é um show a parte.

Com tudo isso é impossível não se apaixonar por essa série e pelas personagens.

Pose já tem duas temporadas e uma terceira confirmada. A primeira temporada está disponível na Netflix e as outras temporadas são transmitidas pela Fox Premium aqui no Brasil.

Categorias: Seriados