O rock gótico do Bauhaus

Categorias Música

Os anos oitenta foram um período em que várias bandas se destacaram por seu visual e teatralidade herdados dos anos setenta, mas que seguiram uma estética mais sombria e triste influenciadas pelo pós-punk e descontentamento com o período em que viviam. The Cure, Joy Division e Bauhaus são exemplos de bandas surgidas no final dos anos setenta e que seguiram por esse caminho, no entanto o Bauhaus é considerado o grupo fundador do rock gótico por sua música Bela Lugosi’s Dead e seu visual único baseado nos filmes de horror dos anos trinta, no neo-romantismo, no glam rock dos anos setenta e na falta de cores que o momento político daquela época inspirava (guerra-fria, desemprego e falta de esperança no futuro).

Formada em 1978 por Daniel Ash, David J e seu irmão Kevin Haskins, que se conheciam desde o jardim de infância e Peter Murphy, amigo de adolescência de Daniel Ash, integrando o grupo como vocalista. O grupo foi originalmente intitulado como Bauhaus 1.919, em uma referência a famosa escola Alemã de arquitetura, artes e design fundada em 1.919 e fechada em 1.933 pelos nazistas. O logo da banda é inspirado na tipografia usada nos trabalhos da escola.

Com apenas seis semanas juntos o grupo criou a música que seria o marco da banda: Bela Lugosi’s Dead, escrita por David J e com mais de nove minutos de duração. Esse single foi bem recebido pelo público e em 1.983 integrou a trilha sonora do filme sobre vampiros Fome de Viver (The Hunger), com Catherine Deneuve, David Bowie e Susan Sarandon. A banda ainda lançou mais três singles Dark Entries, Terror Couple Kill Colonel e Telegram Sam — cover do T. Rex.

Em 1980 foi lançado In The Flat Field, o primeiro álbum da banda que trazia um som minimalista mesclando a guitarra ruidosa de Daniel Ash, a bateria quase tribal de Kevin Haskins, o baixo sóbrio de David J. e a voz sombria de Peter Murphy, contudo ele não foi tão bem na sua estreia. Em 1.981 o álbum Mask foi lançado, apresentando uma evolução no som do Bauhaus com músicas como Kick in The Eye, The Passion of Lovers e In Fear of Fear.

The Sky’s Gone Out, lançado em 1982, continha o single Spirit, que repetiu a mesma repercussão dos trabalhos anteriores, porém nesse mesmo ano o Bauhaus gravou, em uma sessão para a BBC, aquele que seria o seu maior sucesso e que os colocou em evidência: Ziggy Stardust, versão da música de 1972 de David Bowie. O sucesso desse hit alavancou as vendas dos álbuns do Bauhaus e no mesmo ano o filme Fome de Viver (The Hunger) contou com a participação do grupo. Peter Murphy acabou se tornando um ícone do rock gótico servindo inclusive de inspiração para Sandman, o famoso personagem de Neil Gaiman, que ao contrário do que a maioria pensa não foi inspirado em Robert Smith do The Cure, mas sim na fisionomia de Peter Murphy.

Burning from the Inside foi lançado em 1983 e contou com uma participação menor de Peter Murphy, que estava com pneumonia na época das gravações do álbum, o single She’s in Parties era uma das faixas do álbum, e após a turnê desse álbum a banda resolveu se separar. Peter Murphy seguiu em uma bem sucedida carreira solo enquanto Daniel Ash e Kevins Haskins formaram o Tones On Tail com Glenn Campling, um roadie do Bauhaus, no baixo. Juntos eles lançaram o single Go  que figura em várias compilações de hits dos anos oitenta, mas a banda só lançou um trabalho e com o fim da mesma, Daniel e Kevin formaram junto com David J o Love and Rockets, que fez um relativo sucesso nos anos oitenta com o single So Alive, mas não sobreviveu à década seguinte.

O Bauhaus voltou a se reunir novamente em 1998 na sua Resurrection Tour, com um single novo chamado The Dog’s a Vapour e um álbum ao vivo chamado Gotham, gravado durante a turnê. Após essa reunião a banda entrou em um hiato de dez anos e em 2008 eles voltaram ao estúdio para gravar o seu derradeiro álbum Go Away White, depois de 25 anos sem apresentarem nada novo e garantiram que este seria o último trabalho do Bauhaus.

Veja alguns clássicos do Bauhaus:

Bela Lugosi’s Dead

Ziggy Stardust

Telegram Sam

Kick In The Eye

Spirit

She’s In Parties

Sou formada em Artes Visuais, apaixonada por arte, música, livros e HQs. Editora nos blogs Las Pretas e Sopa Alternativa.


2 ideias sobre “O rock gótico do Bauhaus

Deixe uma resposta