Entrevista com as Vespas Mandarinas no CCSP

Categorias Música
Vespas Mandarinas no CCSP. Foto: Katy Illy

As Vespas Mandarinas se apresentaram no Centro Cultural São Paulo, no último dia 10 de outubro, e o blog Vi Shows teve a oportunidade de conhecer os membros da banda e bater um papo bem legal sobre a trajetória dos caras, rock latino e sobre o que rola na playlist deles.

O Centro Cultural São Paulo é praticamente o quintal da casa dos integrantes do Vespas Mandarinas. O álbum de estreia da banda, Animal Nacional, foi lançado lá e é onde Thadeu Meneghini, vocalista da banda, viu a história do rock nacional passar, com shows do Ira!, 365 e Golpe de Estado. A banda também lançou um DVD gravado no Centro Cultural, com o show de lançamento do disco e a participação de Edgard Scandurra.

Thadeu e Chuck - Vespas Mandarinas. Foto: Katy Illy
Thadeu e Chuck . Foto: Katy Illy

O som das Vespas Mandarinas tem uma forte influência do rock da década de 80, e isso fica evidente nas letras do grupo. Thadeu explicou que sua geração ficou marcada por essa década tão importante para o rock.

“Todo mundo que faz rock, cara, que nasceu nos anos 70 ou nos anos 80 com certeza tem essa referência. O cara pode até ter ido pro metal, por exemplo, mas tem alguma banda dos anos 80 que passou por ele, principalmente por causa das letras.” – Thadeu Meneghini

Acrilic on Canvas no CCSP

Uma bela surpresa foi encontrar o músico Nevilton, que está tocando com os caras nos últimos shows da banda. Nevilton incrementou a formação da banda, assumindo uma das guitarras, e, com Thadeu no baixo, ele trouxe seu charme e talento para os shows do Vespas.

No entanto, ainda é cedo para afirmar se Nevilton é Vespas. Nada é certo em relação à permanência dele na banda. Por enquanto, eles estão só “ficando” e se conhecendo melhor. Ainda não assumiram o namoro. Perguntado se Nevilton agora é Vespas, o músico foi categórico: “Nevespas é Vilton!”

“Nevespas é Vilton!” – Nevilton

Nevilton

Nevilton é de Umuarama, no Paraná, e conta que sempre foi incentivado pelos pais a mexer com música, mesmo tendo pouco acesso ao que era lançando nos grandes centros. Ele também está trabalhando em seu novo disco, em paralelo com a parceria com o Vespas.

“Minha formação foi legal, desde pequeno fiz aula de música, tocava teclado e depois fui pra guitarra e violão. Em casa, sempre fui incentivado e tive apoio quando viram meu jeito pra coisa.” – Nevilton

A banda vai começar a gravar o seu segundo álbum em breve, e o Nevilton estará presente no começo das gravações. Porém, eles não têm ideia do que vai sair desse trabalho.A gente não tem a mínima ideia do que vai acontecer, diz Chuck Hipolitho, vocal e guitarra da banda.

“Marcamos a gravação do disco, começa agora no início de novembro, e a gente não faz a mínima ideia do que vai acontecer… Deixar rolar… transar, transar, transar.” – Chuck Hipolitho

O grupo também tem uma versão, da banda uruguaia Cuarteto de Nos (clique e leia o post sobre essa versão), que ficou famosa nas rádios e que, segundo os caras, passou a fazer parte do disco na última hora. “Eu não conhecia a música, foi o Chuck quem trouxe”, afirma Thadeu.

Apesar do sucesso, os caras disseram que ainda não almejam, por enquanto, conquistar outros países da América latina.A gente ainda não conseguiu nem conquistar aqui direito. A gente é tão paulista! – Thadeu.

Vishows: O Uruguai é logo ali, né?
Thadeu: Nova York também, né? Hoje tudo é logo ali…

Veja o que rola na playlist do Thadeu Meneghini:

Midnight Oil
Paul Weller
New Order
Slade
O novo Libertines
PIL (Public Image Ltd.)

 

O show no Centro Cultural São Paulo

Vespas Mandarinas no CCSP. Foto: Katy Illy
Vespas Mandarinas no CCSP. Foto: Katy Illy

Os caras mandam muito bem ao vivo, mas eu ainda não havia tido a oportunidade de ver um show deles. Eles apresentaram um show redondo e cheio de hits. A sensação que eu tive foi de que eles não ficam devendo para nenhuma banda gringa que eu já tenha visto ao vivo. Eles são muito bons!

O CCSP estava lotado, e os fãs cantaram todas as músicas, principalmente “O Vício e o Verso”, “Cobra de Vidro”, “Não Sei o que Fazer Comigo” e “Santa Sampa”.

O fim do show foi o momento mais marcante, com o público invadindo o palco ao som de “Um homem sem qualidades” e mostrando a força que a banda tem com o público jovem.

Setlist:

– “Neste Deserto”

– “Daqui pro futuro”

– “A prova”

– “O Herói Devolvido”

– “O Vício e o Verso”

– “Antes que você conte até dez”

– “Distraídos Venceremos”

– “Acrilic on Canvas”

– “Santa Sampa”

– “Que esse dia seja meu”

– “Sasha Grey”

– “Cobra de Vidro”

– “Estrada Escura”

– “Não Sei o que Fazer Comigo”

BIS:

– “Pânico e Solidão”

– “O Inimigo”

– “Um Homem sem Qualidades”

Também vale destacar toda a simpatia e atenção que os integrantes das Vespas Mandarinas tiveram com a equipe do blog. Eles foram muito solícitos e nos deixaram à vontade para entrar nos bastidores e perguntar o que estivesse passando pela nossa cabeça, em um papo bem descontraído e sem se prender a formatos de entrevista convencionais, como Thadeu preferiu no começo da conversa. Agradecemos também a produção da banda. Obrigado, Vespas!

Conteúdo publicado originalmente no blog Vi Shows.

Sou formada em Artes Visuais, apaixonada por arte, música, livros e HQs. Comecei escrevendo sobre música e me apaixonei pela escrita.

Deixe uma resposta